Pesquisa revela qualidade dos serviços e perfil do hóspede

Os dados foram apresentados na manhã desta sexta, em uma parceria entre a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Sindpoa (Sindicato da Hotelaria e Gastronomia de Porto Alegre) e Setur RS (Secretaria de Turismo do Estado do RS). Os objetivos foram identificar a percepção dos usuários da qualidade dos serviços oferecidos pela rede hoteleira de Porto Alegre e traçar o perfil dos hóspedes.

Foram realizadas pelos alunos da instituição de ensino 423 entrevistas em 25 hotéis e o questionário abordou os seguintes itens: perfil, aspectos de qualidade dos hotéis e análise de satisfação. Segundo os dados, 56% dos hóspedes são casados e 59% do sexo masculino. 34% vem do interior do estado; 18%, de São Paulo, e 5% de outros países.

Das profissões o item serviço predomina (25%), com renda acima de R$ 7 mil, e 66% possui escolaridade além do ensino superior. No motivo da hospedagem, trabalho equivale a 66%; forma de deslocamento é o avião (61%) e o pagamento das diárias feito pelas empresas. Grande parte da clientela vem acompanhada de algum colega de trabalho.

Os hóspedes na área de eventos possuem renda acima de R$ 7 mil, são casados ou divorciados, atuam na área da educação ou saúde. No de turismo, tem mais de 60 anos, recebem renda de R$ 2 até R$ 5 mil e ensino superior ou pós-graduação. O primeiro fator correspondente às variáveis mais importantes no âmbito da satisfação dos clientes da rede hoteleira de Porto Alegre é o conforto do quarto, incluindo entretenimento, TV, TV a cabo, espaço e limpeza do quarto, internet no quarto e wireless no saguão.

A aparência externa do hotel apresenta o menor índice dentre todas as demais e, por este motivo, pode ser considerada a menos relevante para a satisfação dos clientes. O atendimento recebeu média alta, de 9,1%. As categorias que tiveram as menores notas foram alimentação e custo-benefício.

Para o presidente da ABIH-RS, Abdon Barreto, a pesquisa demonstra que o turismo é uma atividade econômica importante e o público feito de idosos é o mercado do futuro. “E que qualquer informação referente à parte técnica e de estatística reflete na melhoria contínua dos serviços oferecidos pela hotelaria”.

Emprego formal

E ainda, segundo o Observatório do Turismo do Rio Grande do Sul, no emprego formal da hotelaria no estado, 50% é do ensino médio completo, aumento de funcionários de ambos os sexos, faixa etária dos 30 aos 39 anos, e a remuneração média com aumento de 37%.


Comments have been closed.